Licença Criative Commons

Licença Creative Commons
"Coluna Historiador Comunica-Ação" de Bread Soares Estevam está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.

sábado, 3 de novembro de 2018

A educação ambiental através da horta escolar: um estudo de caso entre duas escolas da cidade de Rio Grande/RS


Marcelo Dias Rodrigues 1
Diego Mendes Cipriano 2
Bread Soares Estevam 3
Daiane Luísa Miezerski Calheiros 4
Francisco Quintanilha Veras Neto 5
Anderson da Silva Leitão 6

A educação ambiental através da horta escolar: um estudo de caso entre duas escolas da cidade de Rio Grande/RS

Resumo

O presente estudo de caso tem como objetivo relacionar a Educação Ambiental (EA) aos aspectos multidisciplinares de conteúdos das ciências naturais, tendo por base o tema da “horta escolar” e de sua interpretação por estudantes de duas escolas da cidade do Rio Grande/RS, uma delas situada no contexto urbano, e a outra, no meio rural. Como procedimento metodológico, foi elaborado um questionário discutindo junto às escolas em reuniões agendadas anteriormente e dúvidas pertinentes às questões propostas foram esclarecidas servindo de base para investigação desta pesquisa, realizada com aproximadamente vinte e seis alunos entre as duas escolas. De um modo geral, as manifestações textuais dos educandos foram agrupadas em diferentes eixos tematizados da seguinte forma: Agricultura Orgânica e Interdisciplinaridade. Como resultados, podemos compreender que a horta escolar constitui-se numa potencial “laboratório vivo” que transcende os domínios da sala de aula.

Palavras-Chave: Educação Ambiental; Multidisciplinaridade; Ciências Naturais.

Environmental education through school garden: a case study between two schools in the city of Rio Grande/RS

Abstract

The present case study aims to relate Environmental Education (EA) to the multidisciplinary aspects of natural science contents, based on the theme of “school garden” and its interpretation by students from two schools in the city of Rio Grande / RS, one of them situated in the urban context, and the other in the rural environment. As a methodological procedure, a questionnaire was developed discussing with the schools in meetings previously scheduled and questions pertinent to the proposed questions were clari ed serving as a basis for research of this research, carried out with approximately twenty six students between the two schools. In general, the textual manifestations of the students were grouped in di erent axes themed as follows: Organic Agriculture and Interdisciplinarity. As a result, we can understand that the school garden is a potential “living laboratory” that transcends the domains of the classroom.

Keywords: Environmental Education; Multidisciplinarity; Natural Sciences.

La educación ambiental a través de la horta escolar: un estudio de caso entre dos escuelas de la ciudad de Rio Grande/RS

Resumen

El presente estudio de caso tiene como objetivo relacionar la Educación Ambiental (EA) a los aspectos multidisciplinares de contenidos de las ciencias naturales, teniendo como base el tema de la “huerta escolar” y de su interpretación por estudiantes de dos escuelas de la ciudad de Rio Grande / RS una de ellas situada en el contexto urbano, y la otra, en el medio rural. Como procedimiento metodológico, se elaboró un cuestionario discutiendo junto a las escuelas en reuniones programadas anteriormente y dudas pertinentes a las cuestiones propuestas fueron aclaradas sirviendo de base para investigación de esta investigación, realizada con aproximadamente veintiséis alumnos entre las dos escuelas. En general, las manifestaciones textuales de los educandos se agruparon en diferentes ejes tematizados de la siguiente forma: Agricultura Orgánica e Interdisciplinaria. Como resultados, podemos comprender que la huerta escolar se constituye en un potencial “laboratorio vivo” que trasciende los dominios del aula.

Palabras clave: Educación Ambiental; Multidisciplinariedad; Ciencias Naturales.


Considerações iniciais

Desde o ensino básico as disciplinas ligadas às artes e às ciências nos atraem e suas relações com a ecologia instiga-nos a buscar sempre assuntos referentes a estas temáticas. No caso das escolas, os alunos se deparam muitas vezes com o conhecimento já pronto e não vivenciando os conceitos fora da sala de aula, sendo necessário o desenvolvimento desta sensibilidade e desta percepção em atividades práticas sobre os acontecimentos ao seu redor.

Quando a observação leva o aluno a refletir sobre a sociedade, este se vê diante dos aspectos contidos nessa dimensão do saber se tornando participante e ao mesmo tempo questionador sobre os fatos sociais e ambientais e os impactos que estes causam em suas vidas e em suas comunidades.

Quando somos levados a refletir sobre a natureza, o aluno se coloca como parte de toda a complexidade e biodiversidade presente se sentindo responsável tanto como integrante como agente responsável na conservação e prevenção aos riscos ambientais que podem afetar a saúde, a sua vida e da comunidade como um todo. 

Educação, sociedade e natureza são inseparáveis e constroem um indivíduo integral e crítico desde que esta relação ocorra de forma sustentável em todos os seus aspectos e o distanciamento resultante entre o aluno e sua realidade é consequência de uma didática excludente, onde o aluno apenas recebe o conhecimento e inibindo assim o potencial dos educandos através de uma “reprodução” dos assuntos que são abordados.

A interdisciplinaridade existente entre os conteúdos do ensino fundamental podem promover ao aluno trilhar outro caminho em seu processo de aprendizagem, onde as propostas que não se esgotam podem ampliar sua visão e compreensão não só dos conteúdos vistos, mas da realidade que o cerca e faz parte. 

Ambientes naturais podem ser trabalhados de forma lúdica e trazendo o educando a uma discussão junto à sociedade e a natureza, seus aspectos gerais, impactos causados pelo homem e o ensaio possível de ser trabalhado para a conscientização. Exemplo destes locais onde através da relação com natureza o aluno tem oportunidade de ligar suas observações com os conteúdos das disciplinas é a horta na escola, por constituir um contato com a terra e através do plantio, a observação de como ocorre o cultivo, preparo do solo, etc.

Esta experimentação em um âmbito mais amplo permite o aluno refletir sobre a produção de alimentos em sua localidade se ocorre de forma orgânica ou não e considerando mais importante os métodos convencionais ou orgânicos devido a diversos fatores relacionados a estas preferências, além da implicação no meio ambiente que a utilização de um tipo de agricultura ou outro podem acarretar.

As observações dos educandos podem fazer com que entendam suas realidades e proponham alternativas que minimizem os prejuízos causados à natureza e também a sociedade que se relaciona diretamente com ela e onde a pressão do sistema econômico vigente é cada vez mais forte. Assim, tanto esta relação como a atuação e a postura social do individuo podem ser influenciadas pelo sistema capitalista e suas implicações, e a escola passa a ser colaboradora primordial na formação do educando e fazendo sua ligação com a sociedade.

Surge um distanciamento resultante entre a educação e o meio social dos alunos, pois estes conteúdos vistos podem não corresponder a sua realidade vivenciada ou se apresentar de forma diferenciada necessitando por parte destes a interpretação e posicionamento para sua compreensão.

As diferentes áreas do conhecimento podem “dialogar” entre si construindo o conhecimento em rede e aproximando o educando/natureza unidos com trabalhos além da sala de aula, logo as disciplinas precisam estar conectadas com a realidade social vivenciada pelos alunos dentro e fora da sala de aula e os conteúdos não podem estar mais “mofados” nos livros sem poder ser deslumbrados a partir de comparações com situações locais que rodeiam o educando, seu bairro e sua comunidade.

As modificações no sistema de ensino são necessárias para melhorar sua qualidade tornando mais participativo, integrador e promovendo um diálogo permanente entre educador e educando na construção do saber. A relação de uma pedagogia ecológica interconectada com a vivência social pode abrir portas para a visão crítica dos educandos e levando-os a serem questionadores do mundo e da sociedade, de forma participativa e criativa.

Assim, pretende-se discutir através da Educação Ambiental (EA) e da interdisciplinaridade tendo como referência de estudo a “horta na escola”, constituir um laboratório natural em potencial para observação dos educandos levando-os a uma melhor relação homem/natureza e incentivando as disciplinas à reflexão sobre as medidas cabíveis no manejo com a terra, pois ali podem estar presentes conteúdos de geografia, química, biologia, física e ecologia podendo se tornar uma ferramenta útil aos professores do ensino fundamental.

Para isso, um estudo de caso tendo como base duas escolas da zona rural e outra da zona urbana pode comparar os aspectos de observação, interpretação e reflexão por parte dos educandos sendo a horta um exemplo de sistema onde concorrem diversos processos naturais que incluem o solo, a planta e a atmosfera através de suas relações.

Considerando que as escolas estudadas apresentem diferentes realidades, o posicionamento dos alunos sobre alguns aspectos pode divergir de acordo com as relações culturais, sociais e as necessidades locais demonstrando assim diferentes formas de percepção do ser humano com o meio ambiente.

A observação destes pontos diante do que a escola pode trabalhar para que essas modificações ocorram nos levou a escolher a “horta escolar” como uma possibilidade de percepção dos alunos em relação à natureza e as relações existentes entre seus elementos constituintes e os processos entre eles. Assim sendo, a horta pode potencializar o ensino na escola podendo ser um “laboratório vivo” e uma atividade complementar ao ensino das disciplinas e de ciências fora da sala de aula, onde interage com os diversos conteúdos estudados.

O caráter pedagógico e ecológico que a horta apresenta pode promover a educação ambiental colocando os estudantes em contato com a natureza e distanciando do ambiente interno da sala de aula e os colocando diante de suas realidades vivenciadas onde os estudantes podem não só assimilar, mas aprender através do questionamento e da reflexão da relação homem/natureza como se dá de uma forma mais ampliada na sociedade.

Estes aspectos nos motivaram a desenvolver um trabalho de pesquisa comparando duas escolas de ensino fundamental estaduais, da zona rural e urbana, Escola Estadual de Ensino Fundamental Pedro Francisco Bertoni e Escola Estadual de Ensino Fundamental Barão de Cerro Largo, onde trabalham a horta na escola, além de obter através deste estudo de caso a relação com tópicos de educação ambiental e do ensino de ciências.

Assim sendo, esta pesquisa tem como objetivo através da Educação Ambiental e da horta na escola apresentar os aspectos interdisciplinares sobre o meio ambiente e as ciências naturais observados pelos alunos das duas escolas. Como objetivos específicos esta pesquisa pretende observar a compreensão dos alunos em relação aos temas da agricultura orgânica e convencional, os posicionamentos dos mesmos a cerca da sustentabilidade natural e a percepção da interdisciplinaridade dos conteúdos aprendidos tendo a horta na escola como referencial. 

Neste trabalho, a importância da educação ambiental (EA) é abordada no que diz respeito a promoção de intervenções sociais e em formas de gestão social podendo fazer com que os alunos reflitam sobre os impactos ocorridos em pequena escala e que abrangem uma dimensão maior em suas realidades locais e a nível socioambiental, como no caso do uso de agrotóxicos pela agricultura convencional ou de uma agricultura natural como a orgânica sobre o ponto de vista da sustentabilidade ambiental. 

Sendo o homem parte integrante da natureza, Foster (2010) refere-se a ela como “parte inorgânica do homem”, apresentando uma relação orgânica e podendo transcender através da prática. A EA passa a ser então uma possibilidade de exercício desta libertação em diversos setores sociais e no caso do trabalho com a terra a horta na escola passa a ser o instrumento de percepção, atuação do aluno através de uma didática além da sala de aula podendo também integrar de forma interdisciplinar os assuntos estudados.

O posicionamento dos alunos em relação a sustentabilidade tendo a horta como instrumento de reflexão sobre o meio ambiente em escala maior e como a reutilização e reciclagem como medidas de preservação ambiental são discutidos neste trabalho. O potencial dos alunos frente a dimensão sistêmica é verificado através das respostas dos alunos nas questões analítico-expositivas descritas no texto a seguir, onde os mesmos podem observar as relações entre os diversos componentes presentes neste “laboratório vivo” que a horta representa.

Para ler o artigo completo acesse: 

________________________________________________________________________________________________


1 Graduado em Artes Visuais e Mestre em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande. E-mail: marcelodiasrodrigues@gmail.com.

2 Bacharel em História e Mestre em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande – FURG. Licenciando em História pela Unicesumar. Professor da Universidade Federal do Rio Grande – FURG. E-mail: diego_cipriano@yahoo.com.br 

3 Bel. & Lic. em História e Esp. & Me. em Educação Ambiental. Doutorando no Programa de Pós Graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande. Professor da rede básica de educação do município de São José do Norte & Educador Social da rede básica de educação do município do Rio Grande/RS. E-mail: ecohistoriador@gmail.com

4 Bacharel em Serviço Social pela Universidade do Norte do Paraná. E-mail: daianemiezerski@outlook.com 

5 Doutor em Direito, Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental - PPGEA da Universidade Federal do Rio Grande-RS. Desenvolve investigações nas áreas de educação ambiental, ecologia, sustentabilidade e história ambiental. E-mail: quintaveras@yahoo.com.br 

6 Licenciado em Ciências Sociais pelo Centro Universitário Fundação de Ensino Octávio Bastos - UNIFEOB. Bacharel em Biblioteconomia e Ciências da Informação e da Documentação pela Universidade de São Paulo (USP). Professor efetivo da disciplina de Sociologia, no nível médio de Ensino e na Educação de Jovens e Adultos, no âmbito da rede estadual de educação do estado de São Paulo. E-mail: sonhousp@gmail.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário